Como fica a saúde dos colaboradores com o trabalho remoto

Mais da metade (59%) dos 695 profissionais entrevistados pela consultoria 4CO afirmaram que, no modelo home office durante a pandemia, têm trabalhado muito mais horas diárias. Além disso, 57% do total avalia a experiência do trabalho remoto como muito cansativa. Isso acontece porque, além de estarmos em um cenário atípico, em casa alguns profissionais tendem a iniciar o expediente mais cedo, fazer menos pausas, reduzir o horário de almoço ou se envolver demasiado na execução de uma tarefa sem se dar conta de que o período de trabalho já se encerrou. 

Sabemos que o atual cenário tem sido de novidades para todos. Os empregadores estão tendo que adaptar a operação e os processos de gestão presencial para o formato remoto. Já os colaboradores estão tendo que lidar com o desafio de organizar a vida pessoal e profissional dentro de um mesmo espaço. Por isso, neste post listamos quatro recomendações de apoio para esse momento de transição que nos conduz ao “novo normal” do mundo corporativo.

  1. A saúde física e emocional do colaborador merece atenção

Por mais que a tecnologia evolua, a sensibilidade humana dos colaboradores da sua companhia continuará a ser um grande diferencial na qualidade da prestação de serviços ou oferta de produtos aos seus clientes. Considerando que a pandemia, além de ser um risco para a nossa saúde, tem causado um turbilhão de sentimentos em todos nós, é importante que os líderes flexibilizem as cobranças, na medida do possível, e criem oportunidades de estarem mais próximos do time, individualmente e em grupo, seja por meio de ligações, mensagens instantâneas, videoconferências ou happy hours virtuais. A qualquer sinal de esgotamento físico ou emocional seu ou do colaborador, peça ajuda ou ofereça apoio.

  1. O home office pode funcionar, sim

Saber que a possibilidade de trabalhar remotamente existe e é efetiva trouxe uma nova perspectiva para as empresas. Muitas já aderiram ao modelo de  home office, seja ele permanente, parcial ou escalonado, já que conseguem reduzir custos internos e manter o nível de entrega. O ponto agora é implementar um modelo de gestão eficiente para equilibrar as atividades da equipe durante o dia, zelar para que o trabalho seja concluído dentro do período necessário e com qualidade. 

  1. O trabalho remoto está amparado pela Lei

Uma dúvida corriqueira das empresas é a legalidade do trabalho distribuído. Sim, o trabalho remoto segue os requisitos necessários das leis trabalhistas. Com a Reforma Trabalhista, o modelo de trabalho remoto (home office) pode ser enquadrado como uma modalidade de teletrabalho, que está previsto nos artigos 75-A a. 75-E da CLT. Em virtude da pandemia, o Presidente da República adotou a Medida Provisória 927, de 20 de março de 2020, com diretrizes específicas relacionadas também ao trabalho distribuído. Pela MP, por exemplo, “Na hipótese de o empregado não possuir os equipamentos tecnológicos e a infraestrutura necessária e adequada à prestação do teletrabalho, do trabalho remoto ou do trabalho a distância: I) o empregador poderá fornecer os equipamentos em regime de comodato e pagar por serviços de infraestrutura, que não caracterizam verba de natureza salarial; ou II) na impossibilidade do oferecimento do regime de comodato de que trata o inciso I, o período da jornada normal de trabalho será computado como tempo de trabalho à disposição do empregador.

  1. Gerencie a produtividade, para o bem do negócio e da saúde dos profissionais

De acordo com a pesquisa mencionada acima, 70% dos entrevistados que migraram para o trabalho remoto em virtude da pandemia consideram que têm mantido ou elevado a produtividade, se comparado com o período antes da pandemia. Esse cenário de engajamento e qualidade de entrega, porém, é mais fácil de se concretizar quando a equipe está bem dimensionada, com as tarefas distribuídas de maneira adequada e metas exequíveis. Uma boa estratégia para gerenciar esse processo é adotar soluções de tecnologia de gestão de equipes.

Para atender essa demanda, recentemente, lançamos o Performance Tracker, que usa a tecnologia do NICE Desktop Analytics para fornecer de forma rápida e consolidada as informações que o líder precisa para gerenciar as atividades dos colaboradores que operam de forma distribuída na empresa.. As funções e os dados coletados pela solução permitem ao líder: 

  1. comparar desempenho e eficiência, considerando as especificidades de cada tipo de tarefa;
  2. identificar e estabelecer métricas por função, atividade e departamentos;
  3. reunir as informações essenciais para medir produtividade e eficiência;
  4. identificar se algum colaborador está precisando de ajuda, de treinamento ou algum tipo de suporte. 
  5. entender a performance de cada colaborador e fazer gestão de talentos
  6. otimizar a alocação dos recursos da força de trabalho; e
  7. identificar gargalos operacionais.

O trabalho remoto que era tendência, agora é realidade. Os times que estiverem mais adaptados a esse cenário, certamente estarão mais competitivos, agora e no momento da retomada.  Se você quer aprimorar a gestão da sua equipe, nós podemos te ajudar. Experimente o Performance Tracker.

Deixar um comentário